O Imperador e o Advogado*


Reza a lenda que um Imperador da Dinastia Ming solicitou a um advogado o ingresso de uma ação judicial contra o povo vizinho e pagou adiantado cem mil ienes para tal tarefa.

Passaram-se um ano e nada de processo ingressado. Dois anos e nada de processo ingressado. Três anos, o Imperador estava furioso e tentou ligar para o advogado e o celular do advogado só dava na caixa postal…

Visivelmente transtornado, o Imperador montou uma Guarda Imperial e saiu a caça do advogado, que residia num castelo em cima de uma montanha.

Lá chegando, o Imperador e toda a sua guarda formada por mais de 300 homens fortemente armados, encontraram um castelo vazio, com um bilhete na porta: Fui ao fórum, volto em 30 minutos.

O Imperador rasga o bilhete e aguarda 20 minutos quando chega o advogado com o seu cavalo manso, calmo e sereno. 

Ao ver o rebuliço em frente ao seu castelo, questiona: O que aconteceu vossa Majestade? Vamos iniciar alguma guerra contra algum povo?

Não! Berra o Imperador. Tudo isto é por sua causa. Mas, antes de sentencia-lo a morte, vou lhe dar a chance de se explicar: Onde estavas e onde está o meu processo???

Calmamente o advogado pede ao Imperador para conversarem no escritório dele, localizado na torre sul do castelo. O Imperador aceita.

Chegando lá o Imperador visualiza inúmeros papéis espalhados pelo escritório, todos referentes ao processo do Imperador. Na mão do advogado, a prova do crime: Ele tinha acabado de protocolar o processo, 3 anos depois do pedido e entrega ao Imperador o comprovante do protocolo.

O Imperador queria a cabeça do advogado num prato de prata…

Ainda assim, num golpe de sanidade, questionou: Porque, mas porque raios você levou 3 anos para ingressar com o processo? E mais, porque tem tanto papel referente ao meu processo espalhado? 

Alteza, disse o advogado, todos estes papéis são as petições que ao longo dos anos fiz para entregar no fórum e nunca entreguei. A sua petição, que está na sua mão, fiz há poucos instantes atrás e nem levei 20 minutos para faze-la e depois fui protocolar.

Você ficou 3 anos escrevendo petições e nunca entregou? Depois faz uma petição de uma folha e entrega de qualquer jeito no fórum? Você é louco? Guardas, prendam o advogado e levem a bastilha para a degola!

Calma, disse o advogado, deixe-me pelo menos explicar.

Levei 3 anos pesquisando, buscando a melhor alternativa para fazer com que o reino vizinho perdesse o processo e a glória fosse de Vossa Alteza. Três anos escrevendo, rabiscando e sem uma conclusão plausível. Somente hoje, há duas horas atrás percebi algo fundamental e que em 3 anos não havia me dado conta: O prazo deles acabou. O processo que eles poderiam ingressar está prescrito. Então, em 20 minutos fiz uma petição demonstrando as datas ao juízo e pronto, protocolei a melhor tese para o seu processo.

* Esta lenda foi inspirada e idealizada por Naor Nemmen, sendo meu crédito contá-la e adaptá-la a realidade dos advogados.

 

A lenda nos demonstra três aspectos conclusivos:

1. Ter paciência para ouvir a explicação evita muita dor de cabeça;

2. Somente o profissional que adquire experiência tem maturidade para ler, reler, escrever, mudar e ver o que realmente é melhor;

3. A melhor alternativa pode aparecer depois que tudo parece perdido;

Precisamos ter a noção que tudo na vida tem prazo – até nós mesmos não é mesmo? – mas a primeira visão pode não ser a mais adequada.

Devemos não julgar as nossas impressões simplistamente. Devemos analisar o contexto, verificar o porque das coisas e tomar decisões racionais e focadas naquilo que fará o melhor para o cliente e não apenas por uma questão de processos.

Em suma, a tolerância do Imperador unido a persistência e inteligência do advogado: Este é o resultado ideal!

______________________________________________

Artigo escrito por Gustavo Rocha – Sócio da Consultoria GestaoAdvBr

http://www.gestao.adv.br gustavo@gestao.adv.br

 

2 comentários sobre “O Imperador e o Advogado*

  1. Péssima adaptação!

    O Imperador não queria ajuizar uma ação no começo da história? Como no final a ação que o povo vizinho iria ajuizar está prescrita? No início entende-se que o Imperador tinha uma pretensão em desfavor do povo vizinho, e qual seria essa pretensão? Totalmente incoerente. Você não procura nenhum advogado para ajuizar uma ação e fica satisfeito apenas com a outra parte não ter ajuizado. Se você queria ajuizar uma ação você tinha uma pretensão, o simples fato da outra parte não ajuizar outra ação acaba com sua pretensão???

    Curtir

    • Prezado Roberto, por lógico, nao se trata de algo tao direcionado dentro do direito, mas sim dentro do campo filosófico… A idéia é refletir que a experiência traz a melhor pratica.

      Respeito sua opinião.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s