Desmaterializando o direito

Temos visto uma modernidade líquida já nos ensinou Zygmunt Bauman, onde as coisas são mais fugazes e tudo parece ser substituível.

Nesta esteira, temos que o próprio processo judicial era papel e hoje é virtual, os livros eram grossos e pesados, hoje são todos lidos em tablets ou celulares, bem como antes se gastava horas e custo para pesquisa de jurisprudência e teses, hoje tudo ao alcance dos dedos na internet.

Isto se reflete também em outros setores da nossa vida, pois praticamente tudo que fazemos hoje tem espelhos virtuais ou depende da internet para se operacionalizar.

E uma pensar se faz necessário e crítico diante desta realidade: Qual a nossa referência?

Antigamente, com tudo material, nosso livro, nosso autor, nossa base era toda referenciada em estudos, em conhecimentos aprofundados. Hoje, muito do nosso conhecimento é fugaz, se esvai com brevidade e já muda.

Pergunte a um advogado com mais anos de carreira, ele dirá que antes tinha certeza de decisões judiciais, pois as mesmas mudavam muito lentamente. Hoje, uma completa loteria, onde podemos ingressar com uma tese sólida e perder o processo menos de 2 ou 3 anos depois.

E a culpa disto seria a desmaterialização do direito?

Penso que não, em fato, afirmo que o problema disto é muito mais complexo do que tecnologia.

Ao meu sentir temos problemas sociais profundos, questões que vão do sociológico, antropológico e passam pelo histórico, sem perder de vista o político, econômico e profissional.

E, mesmo com toda esta celeuma, vem a tecnologia e queremos aplicar a mesma como em outros países – para não ficarmos pra trás, dizem alguns – e esquecemos do mais básico e elementar antes da tecnologia: Temos que ter conceitos, temos que pensar o porque a tecnologia é ou não útil.

Sempre a partir de conceitos é que podemos criar algo diferencial com tecnologia ou sem ela.

Tanto, que nos recentes estudos pelo mundo a fora o que mais temos é que em eventos de tecnologia as palavras mais usadas são propósito, gestão, pessoas!!!

Sim, PESSOAS!

A tecnologia sem um propósito definido, sem pessoas certas, sem gestão não passa de firulas para aparecer a pessoas sem conhecimento e profundidade.

Vamos evoluir de verdade?

Desmaterializar sim, pois não precisamos de matéria. PRECISAMOS de propósito e pessoas!!! E evoluir nesta senda não é o futuro, é a realidade de agora!

#FraternoAbraço

Gustavo Rocha
Consultoria GustavoRocha.com | Gestão, Tecnologia e Marketing Estratégicos
Robôs | Inteligência Artificial | Jurimetria
(51) 98163.3333 | gustavo@gustavorocha.com | www.gustavorocha.com

Autor: Gustavo Rocha

Consultor nas áreas de gestão, tecnologia e marketing estratégicos. Acesse: www.gustavorocha.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.