Desmistificando hábitos produtivos #DepartamentoasQuintas

Hábitos se forem bons, são sempre elogiáveis, não?

Em fato, nem sempre. Mesmos hábitos considerados bons, produtivos de impacto no rendimento e resultado do trabalho podem ser muitas vezes um engodo.

Afirmo categoricamente: Repense sua rotina com frequência. Pense nos hábitos e no que faz sem pensar e verifique o que pode ser melhorado. É justamente no que não pensamos que reside o que pode e deve ser modificado.

Divido um interessante artigo publicado na revista Exame.com sobre o tema com comentários meus em azul.

4 hábitos que muita gente considera produtivos (mas não são)

Quer ter um dia produtivo de verdade? Para começar, esqueça estes mal-entendidos muito difundidos sobre o assunto

Durante muito tempo no passado, as empresas foram reféns da crença de que seria possível aplicar fórmulas universais de produtividade para todos os funcionários. Não faltavam gurus cheios de “regras de ouro” para alavancar o desempenho de qualquer um.

Hoje, nenhum estudioso sério do assunto acredita na possibilidade de generalizar recomendações. “Não dá para enquadrar todo mundo em um mesmo modelo de comportamento”, explica Alexandre Teixeira, jornalista e autor do livro “Rotinas criativas: Um antimanual de gestão do tempo para a geração pós-workaholic” (Arquipélago Editorial, 2017).

Criado pela coach norte-americana Carson Tate, o conceito de estilo pessoal de produtividade traduz a ideia de que cada indivíduo tem um modus operandi — e é das suas características psíquicas e fisiológicas que precisam derivar os métodos de trabalho ideais para ele.

Tome como exemplo a ideia de que acordar cedo ajuda a ter um dia produtivo. “Todo mundo já ouviu a máxima ‘Deus ajuda quem cedo madruga’, mas ela se refere a uma realidade agrária”, explica Teixeira. “Para quem trabalha no campo, é importante começar o dia o quanto antes para aproveitar a luz natural, o que não faz sentido para a maioria das profissões urbanas”.

Pular da cama antes do nascer do sol só é uma boa ideia para quem tem um relógio biológico ajustado a esse ritmo —o que não é o caso de 100% da população.

De forma geral, as pessoas se dividem em dois perfis quando o assunto é sono: os madrugadores, que gostam de dormir e acordar cedo, e os notívagos, que preferem começar e terminar o dia em horários mais avançados. Se você pertence ao segundo grupo, ajustar o despertador para as 5 horas da manhã será a receita certa para ter um dia arrastado, sonolento e improdutivo.

Alessandro Saade, fundador da iniciativa Empreendedores Compulsivos, está decididamente no primeiro grupo. Ele diz que pertence ao chamado “5 a.m. club”, o grupo de pessoas que naturalmente desperta muito cedo. “A manhã é produtiva para mim, mas não para todo mundo”, diz. “Não adianta nada acordar cedo se o seu organismo não estiver equilibrado para trabalhar”.

Os mal-entendidos sobre o tema vão muito além. Veja a seguir 4 hábitos diários que muita gente considera produtivos, mas não são:

1. Começar o dia respondendo e-mails

Você chega para trabalhar no escritório e a primeira coisa que faz é enviar mensagens? Aí está uma ótima forma de desperdiçar as melhores horas do seu cérebro. “O horário nobre do nosso organismo é quando acabamos de acordar”, explica Teixeira. Esse é o momento em que você está mais produtivo, mais apto a tarefas que exigem bastante do seu intelecto.

Para quê, então, gastar essa oportunidade com uma tarefa tão automática e reativa quanto responder e-mails? O ideal, de acordo com o autor de “Rotinas criativas”, é se dedicar a atividades que demandam criatividade, tais como redigir artigos, preparar apresentações ou organizar as ideias de um projeto.

Além de começar o expediente às voltas com e-mails, você também se esforça para zerar a sua caixa de entrada? Aí vai uma má notícia: além de impossível, esse hábito é um atentado contra o seu rendimento no trabalho. Teixeira afirma que um usuário médio recebe 147 e-mails por dia, dos quais 71 são irrelevantes. O tempo que gasta apagando mensagens inúteis soma 16 horas por ano — o equivalente a dois dias de trabalho inteiros só apertando o botão “deletar”.

Portanto, se você acredita que está sendo produtivo com a faxina diária do seu correio eletrônico, é melhor repensar os seus hábitos. Melhor usar esse tempo para outra tarefa, e aproveitar etiquetas e sinalizadores do seu servidor de e-mail para filtrar os destinatários que realmente merecem a sua atenção.

Interessante o conceito aqui apresentado. Na prática, uso esta técnica de zerar mensagens (embora não receba tantos emails improdutivos, confesso) e funciona comigo muito bem. 

Penso que num escritório ou departamento jurídico o que deve-se analisar é o fluxo: Se a sua rotina vem de emails, categoriza-los, diferencia-los com regras, caixas, marcadores, sinalizadores pode ser o grande diferencial para não errar, perder prazos ou pior: Deixar de fazer algo que realmente precisa ser feito.

2. Caprichar na lista de tarefas

Outro hábito falsamente produtivo tem a ver com a produção de “to-do-lists” das principais tarefas que você precisa cumprir naquele dia. “Você acha que está se organizando, que está abrindo caminho para um dia produtivo, mas na verdade só está preenchendo uma lista”, diz Saade. “Se não tiver disciplina para cumprir o que está ali, não adiantará nada”.

Além de força de vontade para honrar as suas promessas a si mesmo, também é indispensável ter filtros para priorizar as principais tarefas que cabem no seu dia. O maior risco é virar refém de ciclos intermináveis: as atividades não concluídas hoje são transferidas para amanhã, e assim sucessivamente. O resultado são listas imensas, que só uma pessoa muito otimista realmente levaria a sério.

As famosas “to-do-lists” não são ruins, em si, mas devem ser usadas com parcimônia e método. A dica de Saade é concentrar a sua agenda em no máximo três ferramentas, em vez de dispersá-la em apps do celular, serviços online ou papeizinhos perdidos na bolsa. Uma vez centralizadas, as suas tarefas devem ser organizadas por tipo e prazo, e você deve separar um número razoável de questões para resolver em a cada 24 horas.

Aqui vejo algo que também uso muito e comigo funciona: Separo agenda de listas do que devo fazer e isto realmente aumenta muito a minha produtividade, pois posso ver rapidamente o que tenho pra fazer diferente do que são compromissos físicos (agenda). 

Claro, sou metódico e bastante organizado. Se não fosse assim não iria funcionar mesmo. Contudo, manter tudo no mesmo controle, por exemplo, colocar tudo na agenda ou deixar tudo em emails também não será uma solução de organização.

3. Trabalhar ininterruptamente

Chegou a hora de executar o que você tem planejado para hoje? Cuidado para não acreditar no mito de que a melhor forma de terminar uma tarefa é se dedicar a ela obsessivamente. As pausas para respirar são fundamentais para restabelecer o equilíbrio do seu organismo e recuperar o foco.

“Nosso cérebro consegue se concentrar numa única tarefa, em média, por no máximo 90 minutos”, afirma Teixeira. “Depois desse limite, é melhor levantar, tomar um café, buscar uma distração, ou você acabará se cansando e se tornando muito improdutivo”.

Dividir o seu trabalho em blocos é uma técnica consagrada por especialistas em produtividade, mas obviamente deve ser aplicada com parcimônia. Se você entra no famoso “fluxo”, estado de consciência em que o trabalho flui de forma inconsciente, livre e prazerosa, não faz sentido forçar pausas desnecessárias. “Interrupções precisam ser feitas, desde que façam sentido para aquele momento do dia”, resume Saade.

Concordo plenamente, desde que não haja desperdício de tempo. Muitos, com escusas de pausa, ficam 30 minutos ou mais no café, passeando, ou seja, comprometem a produtividade do dia por pausas longas, o que gera depois no final da tarde correrias para cumprir o que precisa ser cumprido naquele dia.

Ter foco e objetivo é essencial para cumprir o que deve ser cumprido e relegar, delegar ou reagendar o que pode ser deixado para depois.

4. Começar pelo mais fácil

Na ânsia de se sentir produtivo, você já começou a realizar pequenas tarefas enquanto evita suas entregas mais complexas? Já organizou papéis na sua mesa de trabalho em vez de fazer um longo e complexo relatório pedido pelo seu chefe?

Se a sua resposta é “sim”, vale ficar alerta. “Gostamos do imediatismo, porque resolver algo rapidamente elimina o estresse”, explica o psicólogo Piers Steel, professor da Universidade de Calgary, no Canadá. “Porém, quanto mais deixamos essas tarefas menores preencherem nossas vidas, mais difícil é manter o foco nos objetivos mais importantes”.

Um hábito similar e tão nocivo quanto priorizar “tarefinhas” é se perder no multitasking. “Se você tenta fazer várias coisas ao mesmo tempo não estará sendo mais produtivo; estará apenas fazendo tudo mais devagar, ou com menos qualidade”, explica Saade.

A chave de um trabalho produtivo não é resolver um grande número de tarefas (grandes ou pequenas) em pouco tempo. Na verdade, trata-se de selecionar as poucas atividades que merecem sua atenção — e não desistir até que estejam concluídas.

Ou seja, em bom português: Tenha foco. Está fazendo a tarefa A, termine a tarefa A antes de ir pra B e assim por diante. Fazer mil coisas ao mesmo tempo deixa pra música do Legião Urbana (o mundo anda tão complicado)

Fonte: https://exame-abril-com-br.cdn.ampproject.org/c/exame.abril.com.br/carreira/4-habitos-que-muita-gente-considera-produtivos-mas-nao-sao/amp/

Interessante não?

Com foco, determinação e principalmente gestão aplicada no dia a dia, com uso de ferramentas de tecnologia úteis podemos chegar a níveis de trabalho mais exemplares com menor estresse.

#Foco

____________________________________________________
Sou Gustavo Rocha
CEO da Consultoria GustavoRocha.com – Gestão, Tecnologia e Marketing Estratégicos
(51) 98163.3333  |  gustavo@gustavorocha.com  | http://www.gustavorocha.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s