Atos e palavras

atosVislumbramos as pessoas cada vez mais preocupadas em discursar sobre o que é certo, o que é errado, em dizer o como fazer, em querer encher a boca para dar exemplos de como é o certo e o errado.

Todos querem ter razão, poucos se preocupam em ser a própria razão.

A grande maioria quer dizer o como fazer e não quer fazer no formato de como diz que deverá ser feito.

Palavras, palavras… E os atos, onde ficam?

Exupéry tem uma bela reflexão sobre este tema:

Os Actos Valem mais que as Palavras

Nenhuma explicação verbal poderá alguma vez substituir a contemplação. A unidade do Ser não é transmissível pelas palavras. Se eu quisesse ensinar a homens, cuja civilização o desconhecesse, o que é o amor a uma pátria ou a uma quinta, não disporia de argumento algum para os convencer. São os campos, as pastagens e o gado que constituem uma quinta. Todos e cada um deles têm como missão produzir riqueza. No entanto, há alguma coisa na quinta que escapa à análise dos seus componentes, pois existem proprietários que, por amor à sua quinta, se arruinariam para a salvar. Pelo contrário, é essa «alguma coisa» que enriquece com uma qualidade particular os componentes. Estes tornam-se gado de uma quinta, prados de uma quinta, campos de uma quinta…

Assim se passa a ser homem de uma pátria, de um ofício, de uma civilização, de uma religião. Mas, para que alguém se reclame de tais Seres, convém, antes de mais, fundá-los em si próprio. E, se não existir o sentimento da pátria, nenhuma linguagem o transmitirá. O Ser de que nos reinvindicamos não o fundamos em nós senão por actos. Um Ser não pertence ao domínio da linguagem, mas dos actos. O nosso Humanismo desprezou os actos. Fracassou na sua tentativa.

Antoine de Saint-Exupéry, in ‘Piloto de Guerra’

 

E como vão os atos do dia a dia?

Dizemos aos funcionários que tudo vai mudar… Algo muda?

Dizemos aos funcionários que pessoas irão ficar/sair… Algo muda?

Dizemos aos funcionários que melhorarão as condições… Algo muda?

Devemos ser a mudança que queremos ver no mundo, já disse Ghandi.

Nossos atos devem refletir nosso pensar. E o nosso pensar deve levar aos nossos atos.

Contudo, sem atos, palavras são vazias.

Atos ou palavras?

Atos reforçados por palavras, este é o caminho.

____________________________________________________

Artigo escrito por Gustavo Rocha

GustavoRocha.com – Gestão e Tecnologia Estratégicas

Bruke Investimentos – Negócios,  Valuation, Fusões e Aquisições, Oportunidades

Celular/WhatsApp/Facebook Messenger: (51) 8163.3333 |

Contato Integrado: gustavo@gustavorocha.com [Mail, Skype, Gtalk/HangOut, Twitter, LinkedIn, Facebook, Instagram, Youtube]  |

Web: http://www.gustavorocha.comhttp://www.bruke.com.br |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s