Crenças e crendices no ambiente corporativo #DepartamentoasQuintas

gato-pretoCrença é sinônimo de fé? Em fato, pela lógica deveria ser sinônimo de dúvida. Não afirmando que dúvida existe naquele que tem crença, mas que qualquer crença nos leva a dúvidas.

Vamos deixar claro que não estou falando de religião. Vamos falar aqui das crenças e crendices corporativas.

Crenças como que pessoas com muitos anos na mesma empresa sabem tudo (podem ser acomodadas e saberem pouco), pessoas mais novas são de pouco trabalho (nem todas) e por aí vai.

E crendices, como crer que sem regras, treinamentos e visão de onde estão indo as pessoas irão permanecer na empresa.

E porque crenças tem a ver com dúvidas? Vejamos este texto filosófico:

 

A Fé da Dúvida

A crença é uma aceitação de verdade, porém, é também o fundamento da dúvida em sua dimensão teológica e filosófica, daí porque questionar de forma alguma é incompatível com ter uma fé.

O século do Esclarecimento ou, como ficou conhecido nos textos que o espírito humano produziu, o Iluminismo, pôs como seu estrado fundamental a busca pela certeza. E, como consequência, bradou: “é mais apropriado duvidar que aceitar qualquer coisa pela fé” (Sawer, 2009, p. 99). Brado em claro acordo com o pensamento de seu precursor, o francês René Descartes e em oposição aberta ao dogmatismo religioso das “trevas medievais”. Mas o eco que se seguiu, porém, revelava outra realidade: a de que a própria dúvida fundamenta-se na crença.

Antes de prosseguirmos, se faz imperioso, como exame primeiro, definirmos dois termos: ‘crença’ e ‘dúvida’. Ambos serão considerados aqui em seu sentido mais largo, isto é, lato. Então, crença é todo ato do espírito de assentir firmemente a algo, sem que esse algo seja justificado racionalmente. Dito de maneira outra, é a aceitação da verdade de uma declaração, sem que haja comprovação racional e objetiva. Diversamente, dúvida é – e também em seu significado largo -, a “Incapacidade de determinar se algo é verdadeiro ou falso ou de decidir pró ou contra alguma coisa” (Japiassu[1] & Marcondes, 1996, p. 77).

Uma vez destacado o referencial dos termos crença e dúvida, poderemos, então, retomar a tese que já fora formulada: “toda dúvida apoia-se sobre uma estrutura de crença”. Exemplifiquemos. Se alguém assentir a declaração: “Eu duvido de P”, sendo ‘P’ qualquer coisa, como a declaração: “Eu duvido que haja verdade absoluta”; ou: “Eu duvido que haja um Deus”; e, ao se perguntar a esse alguém o porquê, as razões que sustentam a sua dúvida, a resposta que ele der revelará um conjunto de crenças que foram aceitas por ele sem justificação alguma. Crenças que foram tomadas sem que fossem examinadas, provadas racional e objetivamente, mas que foram assentidas quer consciente ou inconscientemente. Isso posto, “duvidar de alguma coisa é, ao mesmo tempo, acreditar em outra coisa” (Sawer, 2009, p.99).

Portanto, a ‘crença’, ou seu termo equivalente, ‘fé’, é fundamento da dúvida. E, parafraseando o teólogo James Sawer, o ato de duvidar não significa evitar crenças não comprovadas, uma vez que a própria dúvida se apoia em fé não comprovada (2009, p. 100). E acrescenta ele ainda em outro lugar: “toda dúvida tem uma estrutura fiduciária e está radicada num conjunto de compromissos de fé que, enquanto apoiarem a dúvida, não poderão eles mesmos ser postos em dúvida. O ramo sobre o qual cada dúvida se assenta é a fé” (Ibidem, p. 100).

Autor: Hugo de Albuquerque Silva

*Hugo é teólogo e pós-graduado em Ciências da Religião pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió (Cesmac).

Fonte: Revista Filosofia

Notas

[1] – Hilton Ferreira Japiassú nasceu no Maranhão, em 1934. Licenciou-se em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), obteve doutorado em Filosofia, Epistemologia e História das Ciências pela Université des Sciences Sociales (Grenoble, França) e possui pós-doutorado em Filosofia pela Université des Sciencies Humanes (França). Professor adjunto de Filosofia e História das Ciências no Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Seu livro mais conhecido é O mito da neutralidade científica (Imago, 1976).

Referências

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. “Dicionário básico de filosofia”. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1996, p. 77.

SAWER, M. James. “Uma introdução à teologia: das questões preliminares, da vocação e do labor teológico”. São Paulo: Editora Vida, 2009, p.99.

 

Preparando o 1 de Abril, a pergunta que não quer calar é: Se você tem crenças, você questiona as mesmas? Quais são suas verdades? E suas mentiras para si mesmo?

Você busca mudar seus pensamentos e crenças/crendices para encontrar outras crenças ou outras formas de ver aquilo como hoje é feito?

A gestão começa por encontrar caminhos diferentes daqueles que sempre deram certo ou deram parcialmente certo.

Tudo muda, nós mudamos, a sociedade muda. Porque as regras do seu negócio sempre permanecem as mesmas?

Quais crenças ou crendices precisam ser alteradas?

Por que não começar hoje?

Critique os procedimentos! Pense, treine, monitore a sua equipe das mudanças feitas.

Seja verbo e adjetivo, e não substantivo da mudança, do pensar e do ser alguém melhor todos os dias.

#PenseNisto

_________________________________________________________________________________________________
Pensamentos escritos por Gustavo Rocha Giraldello
Consultoria Gustavo Giraldello – Gestão e Tecnologia Estratégicas
 
Celular/WhatsApp/Facebook Messenger: (51) 8163.3333
Contato Integrado: gustavo@giraldello.com.br [Email, Gtalk/HangOut, Twitter, LinkedIn, Facebook]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s